Insights

Compradores, vendedores e bots: M&A na era da IA

30 outubro 2023 | Blog

Os recentes avanços na inteligência artificial estão produzindo efeitos em cascata em praticamente todos os setores e o campo de M&A não é exceção. Esta nova tecnologia tem implicações potencialmente enormes para os negociadores, tanto na prática quotidiana como nas estratégias de longo prazo. A mesa redonda da Datasite do terceiro trimestre de 2023 se concentrou em como compradores, vendedores e consultores de M&A devem pensar sobre IA enquanto planejam o o futuro.

Perguntas e preocupações sobre a adoção de IA

A inteligência artificial parece preparada para remodelar praticamente todos os campos da atividade humana. Quais desses impactos os profissionais de M&A devem ter em mente?

De acordo com Justin Gans, Diretor Sênior da Capstone Partners, pode ser difícil escolher apenas uma dessas áreas de impacto. A IA já teve um impacto considerável no cenário do mercado, à medida que grandes empresas de tecnologia correm para atrair os melhores talentos através de grandes aquisições. Também é impossível ignorar os riscos que esta tecnologia representa, como a propagação de desinformação através de deepfakes ou a possibilidade de perturbações do mercado devido à negociação de ações orientada por algoritmos.

Profissionais de todas as áreas questionam-se como esta nova tecnologia irá afetar suas carreiras, ao mesmo tempo que procuram formas eficazes de trabalhar com ela. A pesquisa de opinião do público sugere que a adaptação às novas capacidades da IA pode ser a preocupação mais urgente para muitos, com 53% dos respondentes listando-a como sua preocupação número um.

 

O que vem a seguir para IA?

Amir Ghavi, sócio da Fried Frank, disse que antecipa uma grande expansão na forma em que a inteligência artificial será implementada. Inicialmente, ressaltou ele, muitos observadores viam a IA principalmente em termos de aplicativos individuais como o ChatGPT. Agora, há uma crescente conscientização sobre a viabilidade de uma abordagem multimodal que incorpora capacidades díspares, como reconhecimento de imagem, modelos de linguagem e geração de vídeo.

“Todas as aplicações que estamos acostumados a usar hoje nas empresas irão integrar diferentes níveis de IA”, disse ele. “A IA não vai assumir a uma única forma específica. Assim como ovos em um bolo, será uma camada invisível, mas bastante poderosa”.

Ashish Pagey, Vice-presidente de Inteligência Artificial da Datasite, concordou com a avaliação de Ghavi. Ele também observou que há um grande progresso sendo feito em ferramentas agentes que podem realizar tarefas complexas e em vários estágios de forma autônoma. Além disso, o mundo do código aberto pode estar se aproximando de modelos proprietários como o GPT4, o que deverá acelerar ainda mais a adoção da IA.

 

Tendências de mercado de IA a serem observadas

Os membros do painel sugeriram que o entusiasmo inicial de M&A pela IA deve ser cada vez mais ponderado pela cautela frente aos riscos que esta representa. Hoje em dia, os vendedores têm de defender sua competitividade face à disrupção impulsionada pela IA.

Ao mesmo tempo, há uma expectativa crescente de que empresas de todas as áreas desenvolvam capacidades sofisticadas de segurança cibernética e análise de dados. As respostas à pesquisa com o público refletem esta preocupação, indicando que as questões de segurança dos dados são os maiores obstáculos para a IA na indústria de M&A.

Em uma perspectiva mais positiva, o painel identificou dois pontos importantes para deals relacionados à IA. O primeiro foi a tecnologia avançada, uma vez que as ferramentas de machine learning permitem às empresas identificar e interagir melhor com os seus clientes.

Gans ofereceu o TikTok como um exemplo perfeito. “O que torna o TikTok um aplicativo tão popular é a maneira como seus algoritmos podem determinar rapidamente o que é mais interessante para qualquer usuário específico”, disse ele.

Outra área de crescimento potencial está na análise de dados em larga escala. A capacidade de obter insights úteis a partir de conjuntos de dados massivos e não estruturados oferece benefícios potencialmente revolucionários para compradores de todos os tipos.

 

Examinando as aquisições de IA

A moderadora Abby Roberts (diretora sênior da Datasite Insights) perguntou ao público o que é mais provável de fazer uma negociação no espaço de IA desmoronar. A principal hipótese: a dificuldade em verificar as afirmações do vendedor sobre sua tecnologia.

Gans concordou, acrescentando que a maior parte dos deals fracassados que ele viu ocorreu devido a promessas exageradas por parte dos vendedores.

“Por exemplo, houve um caso de uma empresa que afirmava ser especialista na identificação de perigos para carros autônomos”, lembrou. “Funcionava super bem… quando a rua estava sossegada e vazia no meio do dia.”

Os painelistas sugeriram que uma das perguntas críticas que as equipes de diligência deveriam fazer é se uma determinada solução se baseia nos recursos mais recentes de IA. Os compradores devem tomar cuidado com empresas que dizem ter construído seus próprios modelos, quando na verdade apenas deram uma cara nova à tecnologia de código aberto ou adicionaram recursos de UI/UX a um mecanismo existente.

“Em um período muito curto de tempo, passamos por duas ou três gerações de tecnologia”, disse Pagey. “O que eu procuraria saber: Este produto utiliza tecnologias e competências da geração anterior? Ou está bem posicionado para usar a próxima geração e continuar a expandir e se diferenciar?”

 

Ferramentas de IA no ambiente de trabalho de M&A 

As ferramentas de IA generativa aumentarão ou diminuirão a carga de trabalho dos profissionais de M&A? Em uma pesquisa recente da Datasite, 47% disseram esperar que essa tecnologia os tornasse mais ocupados, em vez de tirá-los do mercado de trabalho.

“Pensamos na IA mais como automação, o que é verdade”, disse Pagey. “Mas o maior valor para uma organização é usar essa automação para aumentar a escala de seus negócios”.

Embora muitas tarefas individuais possam ser realizadas de forma mais rápida com a ajuda destas novas ferramentas, os negociadores poderão ter muito mais a fazer à medida que as capacidades das suas empresas se expandem. Ghavi concordou com esta opinião.

“É uma ferramenta de produtividade”, disse ele. “Um país como a França poderia aproveitar isso para ter mais tempo livre. Suspeito que não será assim que as coisas acontecerão nos Estados Unidos. Continuaremos tentando fazer mais coisas no mesmo período de tempo.”

A questão de um bilhão de dólares, disse ele, é se os negociadores conseguem lidar com este ritmo acelerado de negócios com a mesma competência. Mesmo com os recursos adicionais oferecidos pela IA, há o risco de deixarem passar despercebidos detalhes vitais quando grandes fluxos de trabalho forem processados por computadores. 

 

Por que os negociadores devem parar de se preocupar e aprender a amar a IA

Roberts encerrou a discussão perguntando aos painelistas que conselhos eles dariam aos profissionais de M&A que se preocupam com o potencial que esta tecnologia tem de revolucionar a indústria. 

“Saiba tudo sobre o que a IA pode fazer”, disse Gans, “tanto para você quanto para sua empresa. Já ultrapassamos a curva de adoção inicial... se você não for esperto, ficará para trás.”

Ghavi citou a sugestão da roboticista do MIT, Kate Darling, de que deveríamos pensar na IA como animais, em vez de substitutos humanos – ferramentas semiautônomas que trabalharão ao lado dos humanos.

Ele também destacou que as empresas estão enfrentando um dilema importante: devem permitir que os fornecedores usem seus dados para treinar modelos? Seus concorrentes também terão acesso às ferramentas avançadas resultantes, mas a IA poderá não concretizar todo o seu potencial se as empresas forem mesquinhas em relação a seus dados.

Pagey sugeriu que as empresas de M&A podem iniciar a adoção da IA com ferramentas simples e confiáveis que vão aprimorar seus fluxos de trabalho sem interrompê-los. Depois, poderão passar para capacidades mais transformadoras.

“Acho que o primeiro passo será posicionar as pessoas para compreender, aprender, eliminar riscos e remover algumas das incógnitas”, disse ele. “O segundo passo provavelmente terá retornos muito maiores.”

Interessado em saber mais?

Assista à gravação.

Acesse agora